Conectate con nosotros

Notas

Milho e soja têm forte baixa no exterior desde terça-feira, deixando produtor cauteloso

Publicado

en

Diante da queda das cotações em Chicago, agricultores brasileiros estão com receio de oferecer os grãos no mercado. Em dia de votação do plebiscito que decide se o Reino Unido fica ou sai da União Europeia, os investidores mostraram otimismo da permanência dos britânicos no bloco europeu e o dólar se desvalorizou no mercado cambial. No mercado de commodities agrícolas, dia de mais baixas para os grãos negociados em Chicago.
PUBLICIDADE:
CHOCA

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quinta-feira, dia 23, com preços mais baixos. Apesar da boa demanda pelo grão, a previsão de clima favorável ao desenvolvimento das lavouras dos Estados Unidos pressionou as cotações, em dia volátil, aponta a consultoria Safras & Mercado.

No mercado físico, a soja seguiu lento nesta quinta. Segundo o analista da consultoria Evandro Oliveira, a nova queda vem deixando os produtores cautelosos em vender.

Soja na Bolsa de Chicago (CBOT) (US$ por bushel)
Julho/16: 11,24 (-13,00 centavos)
Novembro/16: 11,01 (-15,25 centavos)

Soja no mercado físico (R$ por saca de 60 kg)
Passo Fundo-RS: 87,00
Cascavel (PR): 89,00
Rondonópolis (MT): 85,00
Dourados (MS): 82,00
Porto de Paranaguá (PR): 95,00
Porto de Rio Grande (RS): 91,00

Milho
O mercado de milho enfrentou mais um dia de queda no exterior e no país. A condição climática dos Estados Unidos fez o grão despencar em Chicago. No Brasil, a entrada da safrinha no Paraná e Mato Grosso está colaborando para a queda dos preços da saca.

Milho na Bolsa de Chicago (CBOT) (US$ por bushel)
Julho/16: 3,87 (-5,75 centavos)
Março/17: 4,05 (-5,50 centavos)

Milho no mercado físico (R$ por saca de 60 kg)
Rio Grande do Sul: 60,00
Paraná: 42,00
Campinas (SP): 44,00
Mato Grosso: 28,50
Porto de Santos (SP): 37,00
Porto de Paranaguá (PR): 36,00

PUBLICIDADE:
tacuru x

Café
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações da quinta-feira com preços acentuadamente mais altos. As cotações subiram bem no dia, após as perdas da quarta-feira, diante de um movimento de compras associado à recuperação técnica.

Além disso, segundo o analista da Safras & Mercado, Gil Barabach, há preocupação com a qualidade do café brasileiro, em fase de colheita, após recentes chuvas. As precipitações atrapalharam a colheita e afetaram a secagem dos grãos. Com isso, há pouco café beneficiado novo chegando ainda para as negociações.

Café em Nova York (centavos por libra-peso)
Julho/16: 139,25 (+2,30 pontos)
Dezembro/16: 145,55 (+3,20 pontos)

Dólar e Bovespa
A moeda norte-americana encerrou o dia em baixa de 1,09%, cotada a R$ 3,342. Já o índice Bovespa fechou o dia em alta de 2,80%, aos 51.559 pontos.

FONTE: Canal Rural

Sigue leyendo
Anuncio
Anuncio
Anuncio

Recientes

Facebook

Más popular